UMA CURVA NA ESTRADA – NICHOLAS SPARKS

Editora: Arqueiro
Ano de Lançamento: 2013
Páginas: 304
Classificação: 3.5/5

A vida do subxerife Miles Ryan parecia ter chegado ao fim no dia em que sua esposa morreu. Missy tinha sido seu primeiro amor, a namorada de escola que se tornara a companheira de todos os momentos, a mulher sensual que se mostrara uma mãe carinhosa. Uma noite Missy saiu para correr e não voltou. Tinha sido atropelada numa rua perto de casa. As investigações da polícia nada revelaram. Para Miles, esse fato é duplamente doloroso: além de enfrentar o sofrimento de perder a esposa, ele se culpa por não ter descoberto o motorista que a atropelou e fugiu sem prestar socorro. Dois anos depois, ele ainda anseia levar o criminoso à justiça. É quando conhece Sarah Andrews. Professora de seu filho, Jonah, ela se mudou de Baltimore para New Bern na expectativa de refazer sua vida após o divórcio. Sarah logo percebe a tristeza nos olhos do aluno e, em seguida, nos do pai dele. Sarah e Miles começam a se aproximar e, em pouco tempo, estão rindo juntos e apaixonados. Mas nenhum dos dois tem ideia de que um segredo os une e os obrigará a tomar uma decisão difícil, que pode mudar suas vidas para sempre. Nesta obra, Nicholas Sparks escreve com incrível intensidade sobre as difíceis reviravoltas da vida e sua incomparável doçura. Um livro sobre as imperfeições do ser humano, os erros que todos cometemos e a alegria que experimentamos quando nos permitimos amar.

Mais um livro do meu queridinho Nicholas Sparks lido! Apesar de eu não ter conseguido me envolver tanto com a estória, o autor conseguiu mais uma vez criar um livro lindo, que nos faz refletir sobre amor e perdão.

Na estória, ambientada em New Bern, na Carolina do Norte, acompanhamos a volta por cima tanto de Miles, depois da morte de sua mulher, quanto de Sarah, depois da separação repentina do seu ex-marido. Ambos mostrando-se dedicados para com seu dia-a-dia, o rapaz com seu trabalho e sempre tentando dar o máximo de apoio ao seu filho depois da perda da mãe, e a moça aos seus alunos, mostrando que tinha cada vez mais certeza de aquela era a sua vocação.

Miles sabia que depois de tanto tempo se dedicando à busca da pessoa que matou Missy, sua mulher, chegara a hora de deixar isso um pouco de lado para poder conseguir seguir em frente e viver sua vida, talvez se deixar apaixonar novamente. É aí que ele conhece Sarah, por intermédio de seu filho Jonah, que era aluno da moça.

Logo eles começaram a se ver mais e se conhecer melhor, se encantando cada vez mais um pelo outro. Achei fofo o relaciomento deles, algo simples e puro, gostoso de se ler sobre. (:

Nicholas traz à tona um assunto bem sério: o fato de muitas pessoas não conseguirem perdoar umas as outras. Isso acontece mais frequente do que imaginamos e faz com que as pessoas deixam de viver suas vidas plenamente, sempre pensando no que aconteceu.

É que nem fala na capa do livro: às vezes, quando se busca o amor, é preciso encontrar o perdão. O autor trabalhou isso muito bem, fazendo com que nos sintamos no lugar de Miles e pensemos: o que eu faria se fosse comigo?

Mais uma estória leve sobre amor verdadeiro que Nicholas Sparks nos traz, daquelas para se ler em uma tarde tranquila e que no final ainda nos ensina. Apesar de não ter achado um dos melhores livros do autor, eu gostei bastante da temática, abordando esse perdão que muitas vezes as pessoas esquecem de colocar em prática, mesmo não sendo algo tão sério. Sei que em alguns casos é difícil, mas talvez se ouvesse mais perdão por parte das pessoas, não haveria tanto rancor e tristeza no mundo. 🙂

Beijos, beijos!

A CAÇADA – CLIVE CUSSLER

Editora: Novo Conceito
Páginas: 383
Ano de Lançamento: 2013
Classificação: 3.5/5

Onde comprar:Por décadas, Clive Cussler vem deleitando leitores com romances repletos de suspense, ação e pura audácia. Agora, ele faz isso novamente, em um dos mais loucos e estimulantes thrillers de época dos últimos anos. O governo norte-americano contrata a renomada Agência de Detetives Van Dorn e seu agente igualmente renomado, Isaac Bell, para capturar um lendário ladrão de bancos conhecido como Assaltante Açougueiro.

Este assassinara homens, mulheres e crianças, sem deixar nenhuma pista nem testemunhas. O detetive Bell lidera a busca e finalmente descobre a verdadeira identidade do Assaltante Açougueiro. E nesse momento inicia-se a verdadeira caçada.
Com um enredo intrincado, dois vilões extraordinários e a assinatura de Cussler em reviravoltas surpreendentes, A Caçada é o trabalho de um mestre no auge de seu talento.

A Caçada foi o primeiro livro que li do autor Clive Cussler e posso dizer que gostei muito da leitura. O autor nos ambienta numa época muito interessante: os Estados Unidos nos Anos 20. Além disso, ele nos deleita com uma estória policial muito interessante! Gostei!

No livro nós conhecemos Isaac Bell, um detetive das Agências de Detetives Van Dorn, e que é considerado o profissional mais experiente da agência. Ele é um homem misterioso, cauteloso e é daqueles homens que fazem os olhos das mulheres brilharem só em vê-lo.

Com esse seu novo caso precisando ser desvendado, Isaac vai precisar usar todo o seu conhecimento e astúcia para pegar o Assaltante Açougueiro, um homem de sangue frio que vem roubando bancos e deixando rastro nenhum na hora da fuga.

Com a ajuda de outros detetives amigos, Isaac começa a procurar minuciosamente detalhes dos lugares em que o Assaltante tenha estado, assim como ele vai há várias das cidades onde aconteceram os crimes e interroga pessoalmente pessoas que possam ter visto algo suspeito.

Mal Isaac sabia que ele estava se metendo com uma pessoa mais perigosa do que pensava. Além de correr para descobrir onde seria o próximo alvo do Assaltante, ele terá também que se preocupar em proteger a si mesmo.

Como eu disse, foi a primeira vez que eu li um livro ambientado nos EUA nos Anos 20 e eu adorei ver detalhes da época, com todos os bailes, pessoas bem vestidas, cidades começando a crescer, carros começando a surgir na sociedade… Além disso, gostei muito das personagens. São todas bem misteriosas. Entretanto, eu demorei um pouco para engatar na leitura… no começo a estória estava um pouco arrastada, mas no geral gostei do livro e de como a estória correu. Tirando esse pormenores, eu RECOMENDO sim a leitura, principalmente para leitores fãs desse gênero. 🙂

E vocês, gostam de livros policiais? Já leram algum livro desse autor?
Beijos, beijos!

P.S.: Fiquem ligados que vocês terão a chance de concorrer a um kit do livro na promoção de 2 anos do blog! o

O DUQUE E EU – JULIA QUINN

SÉRIE: Os Bridgertons – Livro 1
EDITORA: Arqueiro
NÚMERO DE PÁGINAS: 288
ANO DE LANÇAMENTO: 2013
TÍTULO ORIGINAL: The Duke and I
ISBN: 9788580411461
AUTOR: Julia Quinn

Os links para compra gerarão ao blog uma comissão sobre as vendas.**

LINDO DEMAIS! Desde de Orgulho e Preconceito eu não lia um Romance de Época e O Duque e Eu não me decepcionou! É o tipo de estória de amor que te faz suspirar e te traz sorrisos ao longo da leitura. Amei!

A sinopse acima já deixa você sabendo (até demais) sobre o que é a estória do livro. Algumas editoras deveriam realmente tentar encurtar a sinopse dos livros. Hoje em dia eu leio poucas sinopses, procuro saber sobre os livros bem por cima, porque se não estraga muuito! Se puderem, leiam só esta resenha e não a sinopse. 🙂

O casal do livro, Simon e Daphne, me lembraram as personagens de Orgulho e Preconceito, Mr. Darcy e Elizabeth Bennet, pois o rapaz é todo misterioso, charmoso e rico, e a moça é decidida, pensa fora da caixinha, quer casar com alguém com quem ela pelo menos tenha alguma afeição. Eu ficava ansiosa pelas cenas do casal por causa da química que eles possuíam, independente do humor de ambos. 🙂

Simon é um rapaz que foi rejeitado pelo o pai durante a infância, só que depois de um tempo ele deu a volta por cima e se tornou muito mais do que o pai esperava dele. Agora ele retorna à Londres como Duque de Hastings, título herdado do pai, e se torna o alvo principal das moças solteiras e das suas mães desesperadas para casá-las.

Daphne tem oito irmãos e eu adorei o relacionamento dela com os irmãos mais velhos, Anthony, Benedict e Colin. O diálogo entre eles era sempre cheio de ironias e tiradas que fazem você rir muitas vezes. É muito fofa a superproteção por parte dos irmãos com Daphne. Apesar de ela não ser a única mulher entre todos os irmãos, ela acabou de atingir a idade de casar, então todos ficam preocupados com seus pretendentes.

Uma coisa que eu percebi ainda mais, como é retratado em Orgulho e Preconceito, é o desespero das mães em casar as filhas nessa época! Eu sentia vergonha alheia no decorrer da leitura. E tirando que as mulheres não tinham direito à nada, nem a estudar. Daphne conseguia ter o pouco conhecimento que tinha com os livros que possuia em sua casa.

Eu não vou mentir que eu queria viver nem que fosse dois dias nessa época só para ter a experiência de como é usar aqueles vestidões e ser cortejada pelos rapazes. Vontade de viver todo aquele nervosismo que as mulheres sentiam no simples tocar de mãos.

Bom, se você gosta de uma romance lindo, que vai te deixar feliz e apaixonado pelas personagens, O Duque e Eu é uma ótima pedida, principalmente se você também curtir Romances de Época. Amei essa proposta da Arqueiro. É um gênero pouco explorado ultimamente e que possui tão lindas estórias. Essa série, Os Bridgertons, é composta por 8 livros. Estou ansiosíssima para ler todos os outros!

Alguém gosta de Romances de Época? Acham que foi legal da editora investir neles? 😉